Manchas na Pele

GUIA: Saiba tudo sobre Manchas na pele!

Quando o assunto é pele, há diversas questões envolvidas no seu cuidado. Muitas pessoas acreditam que o skincare está apenas relacionado a questões estéticas, mas esquecem de que estamos zelando pelo maior órgão do nosso corpo.

Entre os problemas que os cuidados diários com a pele podem prevenir, estão a acne, a dermatite, foliculite e também as manchas. No texto de hoje, você vai saber mais sobre as manchas, o que são, quais as causas, tipos, como cuidar e muito mais!

O que são manchas na pele?

Nossa pele possui uma coloração natural devido à melanina, pigmento responsável por definir seu tom e protegê-la da radiação solar. As manchas na pele são alterações della coloração natural, que se apresentam como lesões em diferentes cores e formatos.

Ao longo do tempo, o melanócito (célula responsável por produzir a melanina) pode sofrer um desequilíbrio, causado por diversos fatores, como maus hábitos, falta de cuidados, uso de medicamentos fotossensíveis, lesões na pele, tabagismo, estresse, entre outros. O resultado disso, são as alterações na coloração da pele, podendo levar ao surgimento de marcas de diferentes tonalidades.

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, as manchas são consideradas atualmente um dos principais problemas de pele. Na faixa etária entre 40 e 65 anos, elas são de fato o problema mais comum entre as queixas nos consultórios dermatológicos.

As manchas podem ser de nascença (genética), outras adquiridas com o passar dos anos, devido a alterações hormonais, hábitos de vida e, principalmente, exposição solar sem proteção.

Independentemente do tipo, elas precisam ser acompanhadas pelo resto da vida. Contudo, muitas delas não representam nenhum risco à saúde, mas é preciso observar qualquer tipo de alteração na sua cor, tamanho e textura.

Causas de manchas na pele

De acordo com a SBD, as principais causas que provocam as manchas na pele são: alterações hormonais, idade, predisposição genética e exposição solar excessiva. Todas essas situações afetam diretamente a melanina, podendo causar um descontrole na produção dessa substância e ocasionar o surgimento das manchas.

Além disso, diversas pesquisas apontam outros possíveis fatores do surgimento das manchas, tais como: disfunções na tireoide, uso de determinados cosméticos e também a gestação, na qual muitas mulheres apresentam alto índice de incidência do melasma.

Essas manchas e pintas podem surgir em diferentes áreas do corpo, entretanto, são mais comuns em regiões coo pernas, tronco, pescoço e cabeça. Confira a seguir, as possíveis razões para o surgimento de diferentes tipos de manchas na pele:

Pintas escuras ou pretas

Esse é o tipo de mancha mais comum, também conhecidas pelo nome de nevo. Em geral, elas costumam ser benignas, e pode aparecer no nascimento ou até alguns anos depois. É importante acompanhá-las para avaliar qualquer tipo de alteração com o passar dos anos.

Manchas brancas

Manchas brancas na pele podem ser sinal de Pitiríase Versicolo, também conhecido como “pano branco”. Elas são causadas por um fungo e costumam atingir com maior frequência pessoas de pele oleosa.

Essas marcas brancas também podem indicar a leucodermia (sardas brancas), que costumam aparecer após os 40 anos e são caudas pelos danos cumulativos dos raios ultravioleta.

Rosácea e outras manifestações avermelhadas

A rosácea é uma doença vascular inflamatória crônica bastante comum, mas sua causa ainda é desconhecida. Ela atinge, principalmente, mulheres de pele branca e gera lesões inflamadas na região central da face (nariz, testa, bochechas e queixo).

A psoríase também pode apresentar manchas vermelhas, além de aspecto ressecado e esbranquiçado. Sua causa ainda é desconhecida, mas pode estar relacionada ao sistema imunológico, interações com meio ambiente e genética.

Sardas

Também conhecidas como efélides, as sardas não apresentam risco à saúde, e são mais comuns em peles claras ou ruivas. Elas podem surgir já nos primeiros anos de vida, devido ao estímulo solar.

Além disso, pessoas com sardas apresentam um aumento no processo de formação da melanina, principalmente em regiões do corpo expostas ao sol com mais frequência, como rosto, colo e ombros.

Quais são os tipos de manchas na pele e como elas são classificadas?

Segundo a SBD, as cores e os tipos de manchas que surgem na pele, podem indicar possíveis problemas de saúde. Ainda que muitas delas não apresentem risco à saúde, é importante se atentar para o tipo de marca.

Primeiramente, as manchas são classificadas de duas formas principais:

  • Hipercromia: excesso de pigmentação, que resulta em manchas escuras;
  • Hipocromia: falta de pigmentação, que resulta em manchas claras.

Após essa classificação básica, há diversos tipos de manchas, como vimos no tópico anterior. Confira a seguir, alguns dos principais tipos:

  • Melanose solar: são desencadeadas pelo excesso de exposição solar e costumam aparecer no dorso das mãos, colo e costas, áreas mais expostas ao sol. Elas são popularmente conhecidas como “manchas de idade”, pois são causadas pelo acúmulo de sol, logo, pessoas com idade mais avançada costumam apresentá-las com mais facilidade.
  • Efélides: também conhecidas como sardas, elas são manchas genéticas que possuem cor castanha e surgem, principalmente, em peles mais claras.
  • Melasma: surgem principalmente no rosto e com menor frequência em áreas como braços, pescoço e colo. A melasma costuma acometer gestantes, mulheres na fase da menopausa ou que fazem o uso de anticoncepcionais, e pode ser agravada pela incidência do sol sem proteção.
  • Cloasma: semelhante ao melasma, o cloasma é mais específico, e surge em mulheres na fase da gestação devido às alterações hormonais.
  • Hiperpigmentação pós-inflamatória: esse tipo de manchas costumam surgir em processos inflamatórios, como, por exemplo, em casos de acne, espinhas e outras lesões.

Quando uma mancha é preocupante?

Como mencionamos, em geral, as manchas de pele não apresentam risco à saúde. Contudo, é preciso ficar alerta em casos de alteração de coloração, tamanho e formato de pintas e manchas.

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), órgão do Ministério da Saúde, no Brasil surgem diariamente milhões de casos novos de câncer de pele, sem contar os casos de câncer de pele não melanoma.

Por isso, é fundamental observar com cautela quaisquer alterações em manchas e pintas, e buscar sempre a opinião de dermatologistas.

Alguns dermatologistas utilizam um sistema para avaliar essas manchas, conhecido como "ABCDE", que indica possíveis sinais de alerta:

A: assimetria nas manchas ou pintas;

B: bordas irregulares;

C: cor, pois pintas com mais de uma cor ou pretas podem ser melanoma;

D: diâmetro, já que lesões com mais de seis milímetros são sinal de perigo;

E: evolução, já que é isso que chama a atenção para a pinta ser investigada.

Como tratar as manchas de pele?

Primeiramente, como vimos, é fundamental fazer uma análise das manchas e verificar se elas sempre estiveram ali, se surgiram ao longo do tempo, se sofreram alterações, entre outros pontos. Ao notar qualquer anormalidade, é fundamental consultar um (a) dermatologista.

Dependendo do tipo de mancha, são indicados tratamentos específicos, destinados para o seu clareamento. Além disso, em uma rotina diária de skincare é possível inserir produtos que ajudem a manter a uniformidade do tom da pele, ajudando a suavizar possíveis manchas.

Conheça algumas opções de produtos:

Essência Concentrada Clareadora Caudalie, sua melhor amiga para reduzir as manhas!

Sérum Uniformizador Sallve - Descubra os benefícios do Retinol para a sua pele!

Resenha: Conheça o Ácido Mandélico Creamy, um poderoso Redutor de Manchas!

Vale lembrar que os cuidados diários como a limpeza, tonificação, hidratação e principalmente a proteção solar, não evitam nem eliminam as manchas, mas atuam ajudando na prevenção e na suavização.

Para utilizar os produtos citados acima, principalmente os que contém ácidos, é importante consultar um (a) dermatologista, que irá avaliar seu tipo de pele e o tipo de mancha para indicar qual o dermocosmético mais indicado para o seu caso.

Além disso, também é fundamental adotar hábitos que atuam na prevenção de manchas causadas ou agravadas pelo sol. Entre eles, optar pela exposição solar consciente, em horários em que os raios solares são mais amenos, como antes das 10h e depois das 16h.

Utilizar filtro solar diariamente, é outro ponto essencial para prevenir o surgimento e agravamento das manchas na pele. Opte por filtros com FPS 30 (no mínimo), faça a aplicação correta e em casos de exposição direta, sor excessivo ou contato com a a água, reaplique o produto. Confira algumas opções:

Conheça mais um lançamento da Beyoung, o Facial Essential - Protetor Solar Facial

Protetor Solar Sallve - Review e primeiras impressões do lançamento mais aguardado!

Aqua Rich Watery Essence — Bioré: Conheça o Protetor Solar #1 do Japão!

Conheça o Protetor Solar Nivea Sun Protect & Hidrata - que hidrata a pele enquanto protege dos raios solares!

Conheça a Loção Protetora Spray da Caudalie com FPS 50


Como vimos, as manchas de pele são bastante comuns e podem ou não ser prejudiciais à saúde. Por isso, é importante visitar regularmente um (a) dermatologista, para avaliar não apenas as manchas, como também outros possíveis problemas na derme.

Continue acompanhando o Guia Make para saber mais sobre os cuidados com apele! Confira também nosso Dicionário da Pele para conhecer os principais termos!